terça-feira, 24 de abril de 2012

Justiça manda prefeito de Maringá exonerar 158 cargos comissionados. (Por Ângelo Rigon)


O juízo da 4ª Vara Cível de Maringá considerou inconstitucionais dispositivos da lei complementar nº 873, de março de 2011, de autoria do prefeito Silvio Barros II (PP), que dispõe sobre a nova estrutura administrativa da prefeitura municipal e que criaram e autorizaram o provimento sem concurso de 158 cargos comissionados. O prefeito terá 48 horas, depois de notificado, para proceder a exoneração dos assessores, sob pena de multa de R$ 2 mil por cargo e por dia de desobediência (R$ 316 mil/dia). O maior número de cargos irregulares está localizado no Gabinete do Prefeito (27) e na Secretaria de Educação (18). Há cargos irregulares em vinte secretarias, inclusive na Secretaria de Controle Interno, que é comandada pela Sociedade Eticamente Responsável/Observatório Social de Maringá.
A ação foi ajuizada pela Promotoria de Defesa do Patrimônio Público e a sentença foi dada ontem pelo juiz Alberto Luis Marques dos Santos e publicada hoje. Os cargos que deverão ter seus ocupados exonerados são: 
Leia Mais 

Fonte: Blog do Rigon.

quinta-feira, 19 de abril de 2012

"Acorda Raimundo". Recomendo assistir

E se as mulheres saíssem para o trabalho enquanto os homens cuidassem dos afazeres domésticos? Essa é a história de Marta e Raimundo, uma família operária, seus conflitos familiares e o machismo, vividos num mundo onde tudo acontece ao contrário.
 Paulo Betti é um dono de casa, grávido, que vive oprimido por sua mulher (Eliane Giardini). Ela trabalha fora enquanto ele toma conta das crianças e da casa. Numa situação inversa, reproduz a relação machista comum entre as famílias de trabalhadores brasileiros. Baseando-se na rádionovela de José Ignácio Lopez Vigil, o vídeo mostra a mulher chegando em casa tarde, depois de tomar umas cervejas com amigas de trabalho. Enfatiza a dificuldade do dono de casa para conseguir com a mulher uns trocados para o mercado e para as necessidades das crianças. Com a participação de José Mayer (outro dono de casa) e de Zezé Motta (outra trabalhadora), o filme apresenta a realidade cotidiana de forma invertida entre os sexos. Para os homens, essa situação é apresentada como um verdadeiro pesadelo. Um pesadelo do qual homens e mulheres devem acordar.

Para terminar a madrugada com bom humor...



quarta-feira, 4 de abril de 2012

“Uma sociedade com presídios vazios e escolas cheias...”.

Vivemos, ou sobrevivemos, numa sociedade que literalmente tem um modelo econômico selvagem.  Esse modelo tenta nos seduzir a acreditar que a felicidade pode ser encontrada no TER e não no SER. A aparência é tudo. Muitos são seduzidos e acabam por acreditar que a felicidade é simplesmente essa busca frenética, e a qualquer custo, de ser possuidor de determinado bem ou patrimônio. O carro do ano, o celular de última geração e por aí vai. Resultado está aí: alienação total, depressão e stress.  Pessoas com salários comprometidos em empréstimos e dívidas.  Mas o sistema, se alimenta do consumismo e está muito feliz com tudo isso.
Não se trata de defender a volta aos tempos da caverna, não é isso. Não se trata defender o socialismo burocrata e ditatorial de Stalin, nem tão pouco do “pseudo-comunismo” de Cuba.  Uma coisa é certa: é necessário que se repense o modelo de sociedade que queremos. O modelo capitalista que está aí falhou. Prova disso é o aumento das desigualdades sociais. 
Esse novo modelo social está para ser construído. Uma sociedade mais humana, em que não ouçamos que uma pessoa tirou a vida de outra por causa de um tênis. Uma sociedade que os presídios estejam vazios e as escolas cheias.  Uma sociedade em que o trabalhador possa com seu salário manter sua família com dignidade e não apenas enriquecer seus patrões.
Não se trata de uma utopia, mas de uma necessidade inevitável.