quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Denúncias revelam precariedade no Samu (Por Ângelo Rigon)

Essa semana divulguei que apenas duas ambulâncias do SAMU estavam rodando  em Maringá. Hoje o blogueiro mor Ãngelo Rigon  publicou em seu site que foram feitas denúncias sobre a precariedade do serviço, com mais detalhes. Eu não estava errado...



"Denúncias sobre a precariedade das condições de trabalho do Samu em Maringá foram feitas a autoridades da área de saúde, ao Ministério Público e ao prefeito em exercício, há algumas semanas. São alarmantes. Além da crítica à centralização do sistema – que faz, por exemplo, um atendimento no Jardim Alvorada demorou o dobro do que demorava antes -, há referência a desleixo no trabalho, por parte dos que deveriam dirigir e cobrar condições de serviço, a antena que saiu de uma torre de 40 metros para uma baixada e com apenas 5 metros, falta de rádio e GPS, entre outras. Acima, as fotos de uma viatura de suporte avançado, com equipamentos caríssimos, “apodrecendo” no tempo; abaixo, a atual viatura avançada, que molha dentro quando chove. O Samu atende casos clínicos, enquanto o Siate atende acidentes e traumas; como o Siate não tem médico intervencionista, quando se faz necessário um médico (o que aconteceu, por exemplo, no final de semana), é acionado o médico do Samu, desguarnecendo o serviço. O Samu possui cinco viaturas básicas e uma avançada; as básicas ficaram paradas por cerca de dois anos, tomando sol e chuva, e por isso costumam ter problemas mecânicos e elétricos.  Aguardam-se, agora, as devidas providências". (Do Blog do Rigon)

Nenhum comentário:

Postar um comentário