sábado, 23 de março de 2013

Servidores municipais de Maringá rejeitam proposta da administração Pupin.




 Aconteceu na manhã desse sábado a assembléia geral dos servidores municipais de Maringá que tinha como pauta a campanha salarial 2013. Servidores lotaram a Câmara de vereadores. No início servidores do SAMU distribuíram um panfleto que trata sobre as reivindicações e a situação  daquele setor.
Vamos para a questão salarial. A reivindicação dos servidores apresentada durante a semana para administração foi de 12%%, mais a incorporação dos abonos e vale alimentação. A proposta da administração apresentada hoje para os servidores foi de 8%, sem incorporação do abono e sem vale alimentação.
Os servidores rejeitaram a proposta da administração. Decidiram manter a reivindicação de 12% mais a incorporação do abono e o vale alimentação. Ficou deliberado também um prazo maior para a administração apresente uma contra proposta. Ficou marcada uma assembléia para o dia 3 de abril às 18 horas na Câmara de vereadores.
Caso a administração não apresente uma contra proposta é grande a possibilidade de ocorrer uma greve geral. 
 (Foto: Paulo Rogério) 

Em tempo: A contratação do grande número de cargos comissionados em detrimento da valorização do servidor foi muito comentada pelos servidores. Espero que prevaleça o bom senso e os servidores sejam valorizados. 

Em assembléia geral dos servidores municipais rejeitam proposta da administração de reajuste salarial.

Ainda hoje mais informações.

SAMU DE MARINGÁ PEDE SOCORRO PARA NÃO PARAR DE ATENDER.


quinta-feira, 21 de março de 2013

IPTU do Jardim Oriental: Pupin sofre derrota e veto é derrubado (Por Angelo Rigon)


Em nome da justiça tributária, os vereadores de Maringá aplicaram a primeira grande derrota ao prefeito Carlos Roberto Pupin (PP) e derrubaram por 12 votos a 1 o veto ao projeto que corrigia o alto valor do IPTU lançado aos terrenos do Jardim Oriental. O único voto a favor do veto foi do vereador Jones Dark, o Negrão Sorriso (PP). A maioria dos vereadores ressaltou que o prefeito teve oportunidade de resolver o problema, e ao encaminhar o veto sequer deu sinal para uma solução. Até Belino Bravin (foto), do PP, líder do prefeito, votou contra o veto. Vários proprietários de lotes do bairro acompanharam a sessão na galeria, alguns portando faixas e cartazes, e aplaudiram todos os vereadores que fizeram uso da palavra defendendo a derrubada.  O vereador Humberto Henrique (PT) foi um dos que criticaram o argumento usado pelo prefeito para vetar a redução do valor – a isonomia. “Isto é brincar com a inteligência dos vereadores, pois é a prefeitura que está descumprindo a Constituição ao tratar os contribuintes de forma diferenciada”, disse. O tenente Edson (PSB) lembrou que poderia ter sido resolvido quando procuraram prefeito; segundo ele, foram feridos o princípio da isonomia e da proporcionalidade.
Fonte:Blog do Rigon

domingo, 17 de março de 2013

SAMU DE MARINGÁ PODE FAZER PARALISAÇÃO DE 48 HORAS.


No último dia 14 foi entregue pelo Sismmar aos servidores do SAMU um ofício da administração sobre suas reivindicações. O ofício apresenta 16 tópicos divididos em questões administrativas (contratações), estruturais (equipamentos, estrutura física) e salariais. Das 16 reivindicações apenas 3 são sobre questões salariais. São elas: baixos salários, não receberem adicional de risco de vida e não recebimento de horas extras nos feriados trabalhados.

1-SOBRE OS BAIXOS SALÁRIOS A RESPOSTA FOI: “Entendemos que o SAMU é uma política nacional de atendimento de urgências e emergências, dando aos municípios a autonomia para legislar sobre salários dos integrantes do programa. No ato do concurso é disponibilizada a remuneração de cada categoria para o SAMU”.
MEU COMENTÁRIO: Na Revista “Emergência” (janeiro de 2012) Paulo de Tarso Abrahão, então coordenador Geral de Emergência do Ministério da Saúde, declarou o seguinte sobre gratificações: “Para que a gratificação seja nacional, seria preciso que cada gestor criasse a via instrumental”. Mais adiante: “... que o gestor do contrato do servidor do SAMU é o município, ou o estado”. Finaliza: “Os benefícios são garantidos na legislação trabalhista e o trabalhador tem o direito de ir atrás de todos eles”.

2-SOBRE A REIVINDICAÇÃO DE RECEBER O ADICIONAL DE RISCO DE VIDA. RESPOSTA: “O regime CLT, não contempla o pagamento de risco para a atividade solicitada”.
MEU COMENTÁRIO: Por outro lado, não há impedimento legal para que o município, através de lei municipal, conceda uma gratificação especial para quem trabalha no SAMU. Pelo contrário. Diz o estatuto do servidor:
Art. 75: “Além do vencimento e das vantagens previstas nessa lei, serão deferidos, na forma de lei ou do regulamento as seguintes retribuições, gratificações e adicionais:
Inciso IV: gratificação pelo exercício de encargos especiais”.

Vale lembrar que essas gratificações, num passado não muito distante foi concedido à médicos do PSF e outros setores da administração.

3-SOBRE O NÃO RECEBIMENTO DE HORAS EXTRAS EM FERIADOS TRABALHADOS, A RESPOSTA:  “A escala de trabalho 13x36 horas não contempla hora extra”.
No sentido oposto assim diz a Súmula 444 do Tribunal Superior do Trabalho:
SÚM-444. JORNADA DE TRABALHO. NORMA COLETIVA. LEI. ESCALA DE 12 POR 36. VALIDADE - Res. 185/2012, DEJT divulgado em 25, 26 e 27.09.2012
“É valida, em caráter excepcional, a jornada de doze horas de trabalho por trinta e seis de descanso, prevista em lei ou ajustada exclusivamente mediante acordo coletivo de trabalho ou convenção coletiva de trabalho, assegurada a remuneração em dobro dos feriados trabalhados. O empregado não tem direito ao pagamento de adicional referente ao labor prestado na décima primeira e décima segunda horas”.
           
Gostaria de deixar claro que esse texto não tem como objetivo criticar a atual direção do SAMU. Pelo contrário, reconheço sua disposição e tem todo meu respeito. Mas é evidente a solução dessas três questões cabe não ao diretor mas sim à administração municipal. 
É a administração que responsabilidade sobre essas questões salariais.    Infelizmente preferiu ao invés de valorizar servidores, investir na contratação de um grande número de cargos comissionados. Atualmente cerca de 370 podendo chegar a 515 cargos comissionados. 
Aos servidores do SAMU, bem como todos os servidores municipais não resta outra ferramenta senão se mobilizar para lutar por seus direitos.
Por último, ficou decidido em assembleia dos servidores do SAMU que caso não avancem as negociações pode ocorrer uma paralisação de 48 horas.
Mais uma vez pela falta sensibilidade da administração corre-se o risco de toda a população ser penalizada.

sexta-feira, 15 de março de 2013

Domingo haverá postagem

Olá amigos.
Peço desculpa pela ausência de postagens  no blog.
Faculdade, trabalho e aquela correria toda têm sido os causadores dessa ausência indesejada.
Mas no domingo haverá postagem.
Boa sexta e sábado e até domingo.


quinta-feira, 7 de março de 2013

“Doou o cartão mas não doou a senha. Aí não vale”.(Deputado Marcos Feliciano, presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias).



”Veja três declarações do Deputado e pastor, mais pastor do que deputado,  Marco Feliciano do PSC. Ele presidirá a Comissão de Direitos Humanos e Minorias:

-“Africanos descendem de ancestral amaldiçoado por Noé”. 

-“Apenas ensino o que aprendi na Bíblia, que não aprova a relação sexual nem o casamento entre duas pessoas do mesmo sexo. Fora isso, a salvação está ao alcance de todos. Essa é a minha fé --só prego o amor e o perdão”.

Durante um culto:
-“Samuel de Souza doou o cartão mas não doou a senha. Aí não vale”.

Com todo respeito à fé das pessoas, mas um intolerante na presidência da Comissão de Direitos Humanos é um desastre.

sexta-feira, 1 de março de 2013

Denúncias na reunião do Comas (Por Angelo Rigon)

Denúncias na reunião do Comas

Na reunião do Conselho Municipal de Assistência Social de Maringá, realizada ontem, foram apresentadas denúncias muito séria. Uma delas é de que quase 200 litros de leite doados ao município foram jogados aos porcos num sítio próximo à cidade, depois de terem sido descartados pela Sasc, pois estavam armazenados no Cras Central e deixaram passar o prazo de validade. O nome da responsável pelo desperdício não foi divulgado, mas dizem que tem fortes relações na prefeitura. Além disso, cestas doadas pelo Cras do Jardim Alvorada a famílias carentes teriam arroz carunchado. Houve também denúncia de que servidores da Sasc estariam utilizando carro e motorista para uso particular para almoçar no Cras Central, ao preço de R$ 2,00. Quem faz p almoço é a cozinheira do centro, no horário em que deveria ser seu descanso. A coordenadora dos Cras estava na reunião do Comas e não negou o fato; justificou que a prática ocorre para as pessoas que trabalham no período de 6 horas corridas e falta tempo para ir em casa. Se a moda pega…
Como o secretário de Assistência Social e Cidadania, Flávio Vicente (PSDB), não ficou para acompanhar a reunião, as denúncias e a promessa de que será aberta sindicância ficaram para a diretora geral da Sasc, a ex-secretária Rosa Maria Marques de Souza.

Fonte: www.angelorigon.com.br