terça-feira, 4 de outubro de 2016

“Candidato, não trate o servidor como descartável”



Em recente entrevista o candidato a prefeito de Maringá Silvio Barros ao responder porque defende a privatização da coleta do lixo usou o argumento de que a coleta diminui de acordo com a idade dos coletores.  Segue um trecho da entrevista:
.
“Ao longo da vida a capacidade de trabalho (do coletor) diminui. Quando ele está com 55 ele não consegue fazer o que fazia com 22.  Porém, o salário aumenta. Então nós temos uma curva onde a gente paga cada vez mais para uma produção cada vez menor. Isso não é inteligente. (...) E tem mais. O coletor concursado tem a maior probabilidade de ter um acidente de trabalho. Então, ficam sessenta dias de atestado. Isso é lixo não coletado. (...) Então esse modelo é um modelo ineficiente. Ele não é bom”.
.
O candidato Silvio Barros não reconhece que queda de produção nada mais é do que um reflexo de condições precárias de trabalho. Devido ao número insuficiente de coletores e para complementar seus baixos salários, esses servidores são obrigados a trabalhar mais de 8 horas por dia. E pasmem, consta que houve um “acordo” com a Administração para substituir o intervalo de almoço por período de trabalho, a fim de não interromper o serviço. Esses e outros absurdos constam no relatório final da “Comissão Especial de Estudo Sobre a Coleta de Resíduos”. Trabalhando em condições precárias consequentemente estão mais sujeitos a ficar doentes e sofrer acidentes de trabalho.
.
O “pagar cada vez mais” que se referiu o candidato, merece ser melhor entendido.  A remuneração que o coletor, ou qualquer outro trabalhador, passa a receber após anos de serviço, como o quinquênio por exemplo, na verdade são direitos previstos em lei. Portanto, devidos legalmente aos trabalhadores.  Não se trata de “pagar cada vez mais”, mas sim de pagar aquilo que é direito do servidor/trabalhador.    
.
Concluo dizendo que nenhum servidor e trabalhador deve ser tratado como descartável. Pense nisso antes de votar.
(Vídeo: reportagem no site da RPC)

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. A privatização da coleta tem um motivo bem mais real para os Barros. Acabar com o poder de mobilização dos servidores.Servidores em greve sem coleta de lixo força a administração a negociação. Com a coleta privatizada os servidores perdem poder e ficam nas mãos da administração.

    ResponderExcluir