quinta-feira, 3 de novembro de 2016

HUMANIZAR AS RELAÇÕES DE TRABALHO.


Uma das marcas da gestão que dará adeus em janeiro foi sua péssima relação com os servidores municipais.  Não foram poucos os casos de assédio moral. Normalmente eles não se tornaram públicos devido ao medo de retaliações. O assédio mais comum é o “assédio moral vertical descendente”. No palavreado fácil, é aquele praticado por um supervisor contra um subordinado. Há outros tipos de assédio no ambiente de trabalho que deixo para outro momento.

Voltando. A gestão que em breve se despede, diga-se de passagem sem deixar saudade, desconsiderou que o trabalhador não quer apenas salário digno. Quer também receber um tratamento digno. 

Hoje, o que se vê é a esperança dos servidores para que essa relação mude e passem a ser respeitados. 

Deixo uma sugestão a próxima gestão: a implementação em todos os setores, (incluindo a participação de chefias, diretores e alto escalão) de cursos de capacitação sobre humanização. Por exemplo a humanização nas relações no ambiente de trabalho.

A humanização no relacionamento entre Administração e servidores reflete diretamente na qualidade dos serviços prestados e também na melhoria das relações nos locais de trabalho. 

Boa quinta a tod@s.

2 comentários:

  1. Paulo, bom dia
    A qualificação de qualquer profissional em qualquer atividade seja pública ou privada deve ser prioridade para a gestão da empresa ou do órgão público.
    Quando "passei" pelo gabinete do Prefeito, em decorrência da minha formação e atividade na docência do ensino superior, pude levar aos servidores acesso a Pós graduação em Gestão Pública e visbilizei mais de 30 matrículas para graduação EAD no Cesumar ambas as propostas a custos muito interessantes.
    Não seguimos adiante, pois nunca foi prioridade, nem sequer dada importância pelo atual prefeito no sentido de qualificar os servidores.
    Há centenas de maneiras de se fazer isso, em que todas as partes, executivo e servidor possam se sentir respeitados e atendidos.
    Vamos esperar que o novo Prefeito Ulisses Maia dê importância a essa questão.

    ResponderExcluir
  2. Concordo plenamente com você Paulo, eu fui uma vitima constante da perseguição dele, desde a greve de 2006, eles passaram a me perseguir até mesmo com auxílio de funcionário de carreira que tinham FG, como que se eles recebessem FG só para perseguir os que não concordavam com a administração deles.

    ResponderExcluir